domingo, 8 de julho de 2007

No meio do caminho tinha uma pedra

Não sei se essa história que aconteceu comigo e com a Larys é um momento Como eu vim parar aqui ou um Momento mazela. Mas vamos a ela:
Depois de um dia quase de noiva, banho de lua, banho de óleo de pitanga, depilação, manicure, cabelo na chapinha; I go rumo a casa de Larys pra me arrumar junto com ela pro casamento da Bela. A putaria já começa quando vou subindo a rua, porque sou recebida por uma rajada de vento que destrói todo o ondulado do meu cabelo.
Ao descer do busão em frente a igreja de Fátima, uma pedra no meu caminho faz com que eu torça meu pé e caia de quatro no chão( nenhuma alusâo a musica dos Raimundos, por favor), dois gentis rapazes me erguem e me colocam sentadinha na parada de onibus, dai olho para meu pé inchado e para o joelho rasgado e penso entre uma lágrima e outra: como vou colocar a sandalia? meu vestido é curto, vai aparecer o machucado( mal sabia eu que não teria que me preocupar com isso).
Ligo pra Larys, aos prantos, pra ela vir me buscar, me ver ou só me dar um apoio moral. 10 minutos depois lá vem ela e a prima, desesperada, de short frouxo, calcinha aparecendo, cabelo lisérrimo e sem sutiã. Pegamos um táxi rumo ao IJF, enquanto eu chorava preocupada com a pobre Larys que ia perder o casório, ela me fazia rir e o pé doía ainda mais.
Entrando no IJF, Larys com toda sua desenvoltura encontra um moço forte pra me empurrar na cadeira de rodas. Dái começa nossa odisséia pra lá e pra cá, eu bem sentada e a Lary me empurrando pra cima e pra baixo na cadeira de rodas. Depois de raio x, médico, chega a hora do gesso e do veredicto: lesão no ligamento( eu cá comigo, me fudi!). O "gesseiro", como diz a Lary, foi super gente boa, fez um gesso bem bonito preu ir pro casamento, entao eu digo: moço, põe nas duas pernas e pinta de verde pra combinar com o vestido.
E foi assm que ao invés de ir pro casamento nós fomos parar no Ijf, cercado de pessoas ensanguentadas e homis( incluindo o porteiro) tentando nos queixar.
Eu não vou fazer a célebre pergunta. pois eu sei como fui parar lá:

TINHA UMA PEDRA NO MEIO DO CAMINHO,
NO MEIO DO CAMINHO TINHA UMA PEDRA
E EU FUI PARAR NO IJF.




Ps: o conhecimento inutil da Larissa, serve pra alguma coisa.

5 reclames:

Rafael Salvador disse...

Meus Deus! E eu que só tinha pisado num palito, numa ponta de ferro e depois contundido o mesmo pé... me solidarizo com o seu martírio, companheira!

Estimo-lhe as melhoras, viu?

P.s.: pelo menos você foi pra festa depois do casamento?

Alunissada disse...

Ow Salvador! brigada pela solidariedade, mas festa mesmo soh daki a 15 dias.
heheheh

Fabys disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
que horror!
precisava citar em que trajes a Larissa tava? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

pobre Natys! Também estimo melhoras!

Marreiro disse...

Ow senhor!! Tinha uma pedra no caminho!! Ai ai...é nessas horas que a gente olha pra cima e diz: tah frescando neh chapa?? tu soh num me mata pq vou aí acertar as contas contigo...

melhoras!!! bjo!

Larys disse...

huahuahuhauhau! a única coisa boa desses acontecimentos é que depois eles servem pra vc morrer de rir e contar para o neto! XD

Postar um comentário