quinta-feira, 23 de julho de 2009

Preciso de um Blackberry

Tive um dia de cão hoje. Acordei cedo pra ir falar com um professor. Ligo e nada dele confirmar. Ligo mais. Nada. Acabo indo lá mesmo assim. Chovendo. De ônibus. Chegando na faculdade, o canto mais limpo. Pra não dizer "o canto mais limpo" digo que tinha uma funcionária limpando. O canto quase-mais-limpo então. Wathever. Pego outro ônibus e vou pra minha psicóloga, que havia mudado de endereço. Pra começar, peguei o ônibus errado. Desci. peguei o certo.

Assim que desci perguntei a uma mulher pra onde ficava a rua Tal. "Pra cá ou pra lá?", perguntei. Ela disse "pra cá CERTEZA que não. Deve ser pra lá". Vou pra lá. Lembrando, chuva, vento. E meu pequenino quarda-chuva azul clarinho. Quase desmontando. Daí que a rua dá numa ruela. Opa, me perdi. Encontro um moço e pergunto: "moço, pra onde é a rua Tal?". Ele prontamente responde: "não sei. Mas vamos ver no meu Blackberry". E tirou um Blackberry do bolso.

Eu juro.


Nessa altura eu já tava pensando: esse dia tá rindo de mim. O incrível é que nós não conseguimos achar a rua no Blackberry. O moço tava lá todo empolgado procurando no aparelho quando eu lembrei a ele que eu estava atrazada e fomos procurar PESSOAS. Uma mulher disse onde era a rua. Tipos que, claro, era "PRA CÁ". Perguntei quantos quarteirões eu tinha que andar, e o moço novamente: "podemos ver isso no meu Blackberry!". Dessa vez achamos. E eu fiquei QUERENDO MUITO um Blackberry. Rererere.

Andei cinco quarteirões debaixo de chuva e vento. E quando cheguei na rua, cadê a clínica. Tipos, ela não tava lá. Não mesmo. Passei pela mesma área umas três vezes. Lembrando, debaixo de chuva e vento, apenas com meu guarda-chuvinha azul clarinho quase desmontando. Daí achei um CRISTÃO e perguntei onde era. Ele disse: "ali, você já passou por lá". Rerere. Jura?

Ah, a clínica era recuada atrás de uma decoração arbórea, tá? Tinha nem como ver. Entro. Minha psicóloga já havia desistido de mim, tava folheando uma revista. Quando ela me viu, molhada, descabelada e PUTA, fez uma cara que pode ser traduzida em uma pergunta:

- Isso é você?

Então, eu. Depois ainda tem gente que pergunta porque eu faço terapia.

2 reclames:

Priscila disse...

Bem,vc teve a prova de que um blackberry eh uma posse interessante,mas as vezes quando se precisa,nao serve de nada. Muito melhor o bom e velho ser humano munido do espirito de solidariade. E vivas às pessoas bondosas que ainda existem nesse mundo!!!!!!!!!

Cristine Bartchewsky disse...

Cara, eu quase engasguei de tanto rir. Descupe! Mas é que me reconheço nessa sua loucura toda! hauahuah

Postar um comentário